1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Pesquisa de Goiás usa planta do Cerrado como base para tratamento de vitiligo

Por Lucas Silva 16 Março 2022 Publicado em Ciência
Votao
(0 votos)

Pesquisadores da Universidade Federal de Goiás (UFG) têm utilizado a mama-cadela, planta típica do cerrado brasileiro, como base de estudo para o tratamento de vitiligo. A pesquisa é desenvolvida há 10 anos e, atualmente, está em fase de testes. Caso seja aprovada, a formulação vai ajudar a repigmentar as áreas esbranquiçadas, que foram afetadas pela doença.

 

A pesquisadora e doutora em ciências farmacêuticas Mariana Cristina de Morais explica que a mama-cadela está sendo usada para manipulação de cremes, géis e pomadas. A ideia é a de que os produtos ajudem os pacientes a reduzir manchas por meio de um tratamento correto.

 

“Escolhemos a mama-cadela pois já tínhamos um conhecimento tradicional. As pessoas usam o chá da planta, como um conhecimento popular, para ajudar a repigmentar a pele. Por meio desta informação, fizemos um estudo científico para entender melhor a planta e suas propriedades”, relata Mariana.

 

A pesquisa acontece há 10 anos, sob coordenação do professor Edemilson Cardoso da Conceição, professor titular da Universidade Federal de Goiás (UFG).

 

Pesquisa busca tratamento de vitiligo natural e acessível

 

A pesquisadora explica que segundo os testes realizados, as respostas são promissoras e de resultado rápido. A expectativa é que a mama-cadela possibilite o tratamento natural e de custo acessível.

 

“Uma das formas de tratamento mais comum que temos no mercado é a fototerapia com radiação ultravioleta do tipo B (UVB). As luzes UVB são as mesmas usadas em bronzeamentos artificiais e podem ser muito agressivas para a pele. Ela pode ocasionar queimaduras e traz muitos inconvenientes para o paciente”, diz Mariana.

 

De acordo com Mariana, os pacientes precisariam fazer uso diário dos medicamentos, aguardar 30 minutos e depois se expor ao sol. “A repigmentação da área afetada é feita de dentro para fora. Com isso, o efeito começa nas camadas mais internas da pele e seguem até a parte externa”, observa a profissional.

 

Fonte: Mais Goiás

Galeria de imagem

Instagram Radio EldoradoTwitter Radio Eldorado

 

Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro

Real Pax