1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE
K2_DISPLAYING_ITEMS_BY_TAG UTI

O estado de Goiás tem dez cidades com ocupação total dos leitos de UTI estaduais para tratamento de pacientes com Covid-19. Os municípios são: Anápolis, Jaraguá, Jataí, Formosa, Luziânia, Mineiros, Porangatu, Senador Canedo, Trindade e São Luís de Montes Belos.

 

Segundo o mapa Distribuição de leitos nos hospitais sob gestão do Estado de Goiás, na manhã desta segunda-feira (1º), Há apenas 12 leitos de UTI da rede pública estadual disponíveis para aqueles que apresentam complicações ocasionadas pelo novo coronavírus.

 

Goiânia conta com cinco vagas, sendo quatro no Hospital Estadual de Urgências da Região Noroeste (Hugol) e uma no Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer). Itumbiara tem três leitos de UTI disponíveis; Catalão, tem dois; Rio Verde, como Nerópolis, possui um leito.

 

A região Noroeste II, que é a única que não apresenta estado de calamidade até o momento e foi classificada como “crítica”, inclui os municípios de Alvorada do Norte, Buritinópolis, Damianópolis, Guarani de Goiás, Iaciara, Mambaí, Nova Roma, Posse, São Domingos, Simolândia e Sítio D’Abadia.

 

Fonte: Mais Goiás

 

Participe do nosso grupo do telegram. Link: https://t.me/joinchat/Y0DXs7FdzBk0MDI5

K2_PUBLISHED_IN Estado

O Governo de Goiás prepara a abertura de mais 50 Unidades de Terapia Intensiva (UTI), em diferentes regiões do Estado, para garantir tratamento adequado aos pacientes com Covid-19. A expansão se faz necessária devido ao aumento sustentado da taxa de ocupação hospitalar. Entretanto, a gestão estadual defende que, para frear a disseminação do vírus e o avanço da pandemia, somente a abertura de leitos não é suficiente. 

 

Para esta semana, está prevista a abertura de 11 leitos de UTI em Quirinópolis, no Sudoeste goiano; nove em São Luís de Montes Belos, na região Oeste; e 10 em Itumbiara, no Sul do Estado. Até 1º de abril, outros 20 serão abertos no Hospital das Clínicas Dr. Serafim Carvalho, unidade da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO), localizada em Jataí.

 

Atualmente, a rede estadual conta com um patamar de leitos superior à primeira onda, em unidades próprias e conveniadas. Essas estruturas estão distribuídas em 20 hospitais, localizados em 15 diferentes municípios de todas as cinco macrorregiões de saúde goiana.

 

Além destas 50 novas UTIs, nos últimos dias o Governo de Goiás abriu mais 118 leitos para pacientes críticos. Destes, 24 estão na capital, sendo dez no Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer) e 14 no Hospital de Campanha para enfrentamento do coronavírus (HCamp) de Goiânia. Já no interior foram criadas 94 unidades críticas em parceria com prefeituras, além de unidades próprias e conveniadas. Localizados em oito municípios, os leitos recém criados estão em Itumbiara (10), Luziânia (10), Mineiros (5), Nerópolis (26), Porangatu (5), Rio Verde (25), Senador Canedo (11) e Trindade (2).

 

Durante reunião on-line realizada com autoridades políticas na semana passada, o governador Ronaldo Caiado destacou que, em virtude do crescimento do número de infectados, o Estado trabalha na abertura de novos leitos para garantir assistência às pessoas que necessitarem de internação. 

 

Fonte: Olha Goiás

K2_PUBLISHED_IN Estado

Depois de reunião com secretários de saúde, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM) e o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), gravaram vídeo para conscientizar população da gravidade da segunda onda da covid e sobre alta transmissibilidade do vírus. “Pedimos à todos que se conscientizem da gravidade do quadro da covid-19 nessa segunda onda, está vindo com a capacidade de transmissibilidade muito maior do que a primeira onda”, disse Caiado.


De acordo com o painel de distribuição de leitos nos hospitais sob gestão do Estado de Goiás, a taxa de ocupação de leitos de UTI está em 87.83%, e a taxa de ocupação de leitos de enfermaria em 58.82%. Caiado ressaltou ainda que desde o início da pandemia da covid-19, o Estado triplicou o número de leitos para atender a população, mas destacou que não é “simplesmente” abrir leitos, é preciso de equipes experientes para atender os pacientes acometidos pela doença.


Aquelas pessoas que acham que é simplesmente abrir leitos, estão enganadas. Nós já abrimos, todos municípios estão abraçados na mesma causa, mas não se produz equipe de médicos, enfermeiros, técnicos e fisioterapeutas de um dia para a noite, com experiência para poder combater a covid nos pacientes acometidos. Por isso nós pedimos à todos, tenham consciência”.


Por fim, Caiado alertou que a responsabilidade não é apenas dos gestores, mas sim de toda população. “Isso não é uma ação única do governador do Estado, dos prefeitos e muito menos das autoridades dos outros poderes, isto é responsabilidade de todos os 7,2 milhões goianos. Esse é o pedido que faço, tentando sensibilizar em um momento em que a taxa de ocupação de Goiás, já se aproxima de 90% dos leitos”, completou.

Fonte: Sagres Online.

K2_PUBLISHED_IN Estado

O secretário de Estado de Saúde, Ismael Alexandrino, disse em conferência com prefeitos de Goiás, junto do governador Ronaldo Caiado (DEM) para debater a pandemia do coronavírus, que, desde 1º de janeiro, a taxa de ocupação de leitos de UTI tem crescido 1% dia.

 

Segundo ele, atualmente, a ocupação de leitos de UTI é de 75% no Estado, enquanto a enfermaria é de 50%. Apesar disso, Ismael afirma que é possível, ainda, expandir e criar leitos no Estado e no Hospital das Clínicas.

 

“Contudo, essa capacidade de expansão é limitada. Do ponto de vista de estrutura física, equipamento e pessoal.” Desta forma, ele alerta que o cenário atual é de curva crescente.

 

O encontro, que teve início às 14h, reúne o governador, prefeitos, empresários, sociedade civil e parlamentares para discutir a pandemia no Estado.

 

Fonte: Mais Goiás

K2_PUBLISHED_IN Notícias

Após registrar um número recorde nos casos confirmados de covid-19 na última quarta-feira (20/01), Caldas Novas amanheceu com leitos de UTI para Covid-19 lotados nesta sexta-feira (22/01). A informação foi dada pelo secretário de Saúde do município, Angelo Paulo da Silva, em entrevista à Rádio Bandeirantes Goiânia.

 

Para Ângelo a situação é preocupante, haja vista que a vizinha Catalão também registrou um número alto nos leitos de UTI esta semana e como estão na mesma regional, o risco de um colapso pode existir. “Chegou a preocupar porque Catalão é nossa regional onde nós temos uma parceria muito importante e lá deu 100% de lotação nas UTIs, Caldas Novas também tá com 100% de lotação nas UTIs, não temos vaga nem em Goiânia e nem em nenhum lugar de regulação. Então é de se preocupar”, pontuou.

 

Ele ponderou que os números são muito móveis e o cenário pode aumentar a todo o momento. É necessário neste momento uma gestão de leitos que seja dinâmica para conseguir atender todo mundo.

 

Fonte: Diário de Goiás

K2_PUBLISHED_IN Estado