1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE
K2_DISPLAYING_ITEMS_BY_TAG Estelionato

A Polícia Militar de Mineiros (7ª CIPM) está no encalço de dois meliantes que aplicaram um golpe de R$ 4 mil em uma professora. O fato foi registrado em Boletim de Ocorrência (BO) pelos soldados Joel Gomes e José Carlos, nesta terça-feira (15), por volta 12h.

Hoje (16), no Programa Plantão Polícial, o cabo Edmar Andrade nos esclareceu como teria acontecido o roubo. Segundo ele, a professora havia pedido um empréstimo no valor de R$ 4 mil e foi na agência da Caixa Econômica (no centro da cidade) sacar o valor. Retirou o dinheiro e seguiu seu destino.

Quando chegou às proximidades do Mercadão dos Calçados, ela reparou que um homem, o qual estava a sua frente, havia perdido os documentos. Quando ela vai pegar os papeis para devolver ao dono, aparece repentinamente um rapaz. Ambos avisam ao homem sobre os documentos que estavam caídos ao chão. Eles pegam os papeis e entregam ao dono.

O homem, em contrapartida, com muita educação teria dito o seguinte: “Muito obrigado! Vocês acharam meus documentos, mas o importante está aqui dentro no meio deles: um cheque de R$ 19 mil! Se vocês não tivessem achado e me entregado eu poderia ter tido um grande prejuízo caso caísse nas mãos de pessoas erradas. Quero recompensar vocês e dar uma gratificação por isso!”.  Apesar de a moça ter insistido que não precisava, o homem fez questão de presenteá-la e acabou a convencendo a ir receber a tal recompensa. O jovem aceitou sem problemas.

O homem disse para os dois: “Vamos ali em cima, minha mãe tem uma loja de calçados e eu vou falar com ela para lhe presentearem. Eu quero lhes dar um par de calçado”. Até ai, a moça nem desconfiava de nada.  Então eles foram até as proximidades de uma escola, na 4ª Avenida. Chegando lá o homem teria dito: “Esperem aqui um minutinho que eu vou à loja da minha mãe falar com ela e logo retorno”.

Passou um tempo e quando ele retornou logo disse: “Minha mãe ficou muito satisfeita e agradeceu por terem achado os documentos e o cheque. Ela quer presentear vocês com o par de calçado que falei”. Com isso, ele fala para o rapaz: “Você, vai lá primeiro, pega o calçado e volta aqui. Depois a moça vai”. Então o jovem foi lá e voltou com o calçado. O homem então fala para a professora: “Vai lá agora, minha mãe tá te esperando, mas pode deixar sua bolsa aqui”.

Ainda sem suspeitar de nada, ela acaba deixando a bolsa (com a quantia de R$ 4 mil) em posse dos homens e segue até a suposta loja. No meio do caminho ela se lembra do dinheiro e retorna. No entanto, os dois já não estavam mais lá, nem a bolsa e nem o cheiro deles e do cheque.

Siga-nos no Twitter e no Facebook
Twitter - Facebook

K2_PUBLISHED_IN Polícia

Um homem passou duas folhas de cheque clonadas em dois estabelecimentos comerciais de Mineiros na última sexta-feira (13). Os cheques eram do Banco Bradesco e ambos tinham o valor de R$ 560 reais. Em um restaurante, o estelionatário teria se passado por fiscal do IBAMA. Ele consumiu e deu uma folha de cheque para pagar a conta de R$ 230 reais.

No mesmo dia, o proprietário de um mercado também teria recebido um cheque do mesmo valor do indivíduo. Vendo que o golpe deu certo, o estelionatário teria se passado novamente por fiscal do IBAMA e realizado compras no valor de R$ 244 reais.

Ao tentarem descontar as folhas de cheque no Bradesco, os empresários descobriram que elas eram clonadas. Com isso, os policiais militares, soldados Marcos, Jorge, Polizzel e Ailton se deslocaram até a agência bancária para registrar o ocorrido. O homem não foi identificado até o momento. De acordo com as vítimas, o golpista teria estatura média, é moreno claro, é um pouco gordo e usa bigode. Teria aproximadamente 55 anos.

Siga-nos no Twitter e no Facebook
Twitter - Facebook

K2_PUBLISHED_IN Polícia

Aproximadamente 50 pessoas registraram ocorrência na Polícia Civil nesta segunda-feira (28) contra um grupo de estelionatários que agia em Rio Verde, a 232 km de Goiânia. Segundo a Polícia Civil, os criminosos chegaram à cidade na última semana divulgando cerca de 300 vagas de emprego. Eles recolheram cópias de documentos pessoais dos candidatos, a carteira de trabalho original e R$ 20 para realizar um exame médico. De acordo com a polícia, eles sumiram com os pertences no sábado (26), dia em que aconteceria a efetivação dos candidatos.

Segundo a Polícia Civil, para atender a população a empresa utilizou um espaço cedido pela prefeitura da cidade. O secretário de comunicação de Rio Verde, Cairo Fagundes, informou ao G1 nesta segunda-feira que antes de ceder o local consultou o CNPJ da empresa e ele estava ativo desde 2003. A prefeitura informou ainda que nenhum valor foi cobrado e não houve nenhum contrato para fechar o acordo.

A empresa que teve o nome utilizado pelos criminosos é de São Paulo e informou ao G1 que não atua fora do estado. Segundo a administração, a unidade nunca teve problemas desse tipo e vai aguardar uma resposta da Polícia Civil.

Investigações
De acordo com a delegada Jaqueline Camargo Machado, até a tarde desta segunda-feira cerca de 50 pessoas haviam registrado ocorrência, mas a suspeitas é de que outras várias tenham sido vítimas do golpe. Segundo ela, ainda não há suspeita sobre a autoria do crime e as únicas informações são que duas pessoas atenderam os candidatos.

A primeira providência é registrar ocorrência de roubo dos documentos pessoais das pessoas. “Eles podem querer vender esses documentos para outras pessoas usarem os dados. Então para evitar isso estamos registrando as ocorrências”, afirma.

O próximo passo, segundo a delegada, é conseguir imagens dos circuitos internos de segurança dos locais onde o grupo esteve e conseguir os documentos que eles tenham utilizado na prefeitura, no hotel e na rádio local, que divulgou as vagas.

Fonte: G1 Goiás

 

 

K2_PUBLISHED_IN Região