1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

RIO VERDE | Moradores reclamam de insegurança em penitenciárias

Por Eduardo Candido 25 Junho 2014 Publicado em Segurança
Votao
(0 votos)
Cadeia em Rio Verde Cadeia em Rio Verde Reprodução/TV Anhanguera

Moradores de Rio Verde reclamam da falta de segurança na Casa de Prisão Provisória (CPP) e no presídio do regime semiaberto, que ficam na região central da cidade. Segundo eles, quando há fugas, os presos invadem as casas vizinhas e a sensação de medo é constante. “No meu quintal mesmo, quando eles fogem, passam por lá. É muito perigoso”, afirma a dona de casa Sueli Guimarães.


Já a aposentada Maria Barros destaca a fragilidade das penitenciárias. “Eles [presos] cerram as grades, fazem buracos na parede, e fogem mesmo”, destacou. Por conta disso, segundo ela, a vizinhança foi obrigada a instalar equipamentos de segurança nas casas para tentar se proteger.


A CPP, que tem capacidade para 180 presos, abriga atualmente cerca de 240 detentos. A reportagem solicitou o levantamento do número de fugas ocorridas neste ano para a Secretaria de Administração Penitenciária e Justiça (Sapejus), mas os dados não foram repassados até a publicação desta reportagem.


Sobre a superlotação, a secretaria afirma que existe um projeto para construção de um novo complexo em Rio Verde. O prédio será construído em um terreno doado pela prefeitura, que fica ao lado do Centro de Inserção Social (CSI), onde ficam os presos que já foram julgados e cumprem pena. No entanto, segundo a Sapejus, a obra depende de recursos estaduais e ainda não há um prazo para início dos trabalhos.


Enquanto a situação não é resolvida, o Conselho da Comunidade de Rio Verde decidiu agir por conta própria e providenciou, com ajuda da iniciativa privada, a instalação de 16 câmeras de monitoramento na CPP. “As câmeras vão trazer mais segurança para os agentes penitenciários e para os detentos”, disse o presidente da entidade, José Tavares.


Drogas e celulares
Com a ajuda das câmeras, os agentes passaram a monitorar o presídio 24 horas por dia e tentam impedir a entrada de objetos ilícitos na unidade. Na última vistoria nas celas, realizada no último dia 30 de maio, foram apreendidos cerca de 20 celulares, 35 chips, carregadores, tesouras e facas. Além disso, foram encontradas diversas porções de drogas. Alguns dos itens estavam enterrados nas celas.


Procurado, o diretor regional da Sapejus Regis Pascoal informou que a entrada de celulares e drogas na CPP está sendo investigada. A suspeita é que os materiais tenham sido levados por parentes dos presos. Ele disse também que está apurando se existe facilitação por parte de agentes penitenciários e afirmou que os responsáveis serão punidos.


Ainda de acordo com o diretor, a segurança do presídio será reforçada com bloqueadores de celulares e detectores de metais. No entanto, ainda não existem prazos para tais melhorias.


Fonte: G1 Goiás

000-A-Banner WhatsAppecontatos-RadioEldorado

Instagram Radio EldoradoTwitter Radio Eldorado

 

Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro

Real Pax