1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Clima deixa Goiás em alerta

Por Rejane 08 Agosto 2013 Publicado em Previsão
Votao
(0 votos)
Lido 2313 vezes
Clima deixa Goiás em alerta Reprodução

Goiás já vive uma situação de alerta em decorrência de baixos índices de umidade relativa do ar, que segundo a Organização Mundial de Saúde varia de 12% a 20%. Este ano, o menor índice registrado foi de 13%, no dia 4 deste mês, no município de São Simão, no sul do Estado, mas a previsão para as próximas semanas não é nada animadora. Historicamente os piores índices são registrados em setembro, quando as rajadas de vento são mais comuns levantando os poluentes, como poeira, fumaça e fuligem. A massa de ar seco que paira sobre Goiás contribui para a formação de um belo espetáculo ao por do sol, "mas tudo não passa de poluição", alerta a chefe em Goiás do Instituto Nacional de Metereologia (Inmet), Elizabete Alves Ferreira.

 

O tempo seco somado aos agentes nocivos à saúde estão levando milhares de pessoas às unidades de Saúde, principalmente crianças, mais suscetíveis às doenças virais. No Hospital Materno Infantil (HMI), referência no atendimento de problemas respiratórios, houve um crescimento superior a 64% nesse tipo de doença entre janeiro a julho deste ano, em comparação ao mesmo período de 2012. No ano passado, nos sete meses foi registrada uma média de 1.102 casos por mês e este ano, subiu para 1.817 casos.

 

Pediatra, alergista e imunologista do HMI, Lorena de Castro Diniz atribui a uma soma de fatores a alta demanda de pacientes na unidade. "Há mais poluição no ar, como excesso de veículos, uso excessivo de ar condicionado e crescimento dos polos industriais e da construção civil, que produz muita poeira. Com o tempo seco há mais concentração de poluentes, que são vetores de doença. Essa concentração de poluentes faz diminuir a força dos pulmões", afirma.

 

Em Goiás, segundo o Inmet, a última chuva registrada foi no município de Caiapônia no dia 19 de julho. Em Goiânia, na chegada da frente fria, no dia 23, houve uma espécie de garoa, mas não o suficiente para mudar o quadro de sequidão que provoca irritação nos olhos e ressecamento das vias respiratórias. Ou quadros mais graves, como gripe forte, asma, bronquite e sinusite.

 

De acordo com o Inmet, no domingo completou oito dias de umidade relativa do ar atingindo nível considerado de alerta. O menor valor registrado em Goiânia foi de 13%, no dia 2 de agosto.

 

NOVA ONDA DE FRIO
O Inmet está prevendo uma nova onda de ar frio na semana que vem. Vindo do sul do Brasil, a massa de ar frio vai atingir o Centro-Oeste, com pico de resfriamento previsto para o dia 14, quando a temperatura máxima em Goiânia deve atingir 23% e a mínima 12%. Neste período, a umidade do ar vai dar uma trégua por causa do aumento de nebulosidade.

 

Fonte: O Popular

FAMP
Produção de Spots
camara-em-destaque
Vida Nossa de Cada Dia