1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Além dos aplausos: profissionais da Enfermagem lutam por piso salarial

Por Lucas Silva 11 Abril 2022 Publicado em Região
Votao
(0 votos)

Quatro meses após ser aprovado no Senado, o projeto de lei que estabelece o piso da enfermagem nacional (PL2546/2020) segue aguardando votação na Câmara dos Deputados. Durante a reunião do Colégio de Lideres, na última quinta-feira (17/3), foi decidido que o plenário da Casa votará um requerimento de urgência, nesta terça-feira (22/3), para que o PL possa avançar.

 

Além disso, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), estabeleceu um cronograma de cinco semanas para que, junto ao Senado, sejam encontradas soluções para subsidiar o aumento na carga das instituições de saúde previstos com a aprovação do texto.

 

A expectativa é levar o mérito para discussão sobre o piso da enfermagem no plenário da Câmara na primeira semana de abril. “Esse cronograma é fruto de um acordo dos lideres com Lira. As entidades da categoria não participaram disso e estamos aguardando há muito tempo que a pauta saia desse entrave com os parlamentares e seja votada o mais breve possível. E que, a partir disso, discutam as estratégias para minimizar os custos”, diz Daniel Menezes, enfermeiro e conselheiro do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen).

 

De acordo com o texto do projeto, o piso salarial de enfermeiros em todo o Brasil seria de R$ 4.750; o de técnicos de enfermagem em R$ 3.325,00; e o de auxiliares e de parteiras R$ 2.375.

 

As fontes de financiamento do piso da enfermagem são o principal motivo para a resistência da votação do texto que, caso aprovado, representará um custo anual de R$16,3 bilhões, de acordo com o relatório de impacto divulgado em fevereiro. O deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP), ex-ministro da Saúde e relator do Grupo de Trabalho criado pela Câmara, considera que “esse valor é absolutamente possível de ser absorvido, ele representa apenas 3,65% do orçamento do Sistema Único de Saúde (SUS) em 2020”.

 

Ainda assim, os parlamentares questionam o impacto financeiro no setor, principalmente nas instituições públicas e filantrópicas. Entidades como a Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos (CMB), já afirmaram que não conseguiriam cumprir com o piso proposto.

 

Entre as possibilidades discutidas para reduzir o impacto nas contas, os parlamentares citaram durante a reunião de líderes soluções como a criação de novos impostos e recuperação de fundos paralisados.

 

No caso das instituições particulares que, de acordo com a Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), teria um impacto de R$12 bilhões, a desoneração na folha de Saúde é apontada como uma possível alternativa para custear o PL. A deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC) apresentou um projeto complementar para beneficiar o setor da Saúde com a redução da carga tributária: “Temos 17 segmentos desonerados, do têxtil à comunicação. As fontes de financiamento existem e nós vamos atrás delas, pois a enfermagem não sobrevive sem esse piso”, disse ao JOTA.

 

Além disso, Daniel Menezes afirma que uma grande parcela dos profissionais da categoria já ganha o piso proposto ou até mesmo um valor superior a esse: “Muitas instituições nem sentiriam a diferença, mas não podemos negligenciar os profissionais qualificados que ganham muito pouco e são obrigados a fazer dupla jornada de trabalho. Conheço até um enfermeiro que migrou para a construção civil para sustentar-se financeiramente”, diz.

 

De acordo com Adelvanio Morato, presidente da Federação Brasileira de Hospitais (FBH), os maiores impactos do projeto não seriam sentidos pelos grandes complexos hospitalares, mas por 70% dos 4.200 estabelecimentos da rede privada, considerados como de pequeno e médio porte — com até 100 leitos — que já enfrentam uma crise econômica, agravada pela pandemia de Covid-19. “É preciso pensar em soluções viáveis para o subfinanciamento, caso contrario o PL terá um impacto negativo em cadeia, com demissões, fechamento de hospitais em cidades carentes, sobrecarga do SUS e aumento do preço dos planos de saúde”, diz.

 

De acordo com a FBH, quase 2 mil hospitais privados do país são prestadores de serviço do SUS, garantindo a sustentabilidade do sistema de saúde longe dos grandes centros urbanos: “Esses estabelecimentos sequer conseguem investir em manutenção e modernização dos equipamentos e serviços e não sobreviveriam com o custo do projeto. Sem eles, os atendimentos de urgência e de média e alta complexidade podem comprometer centenas de municípios”, afirma Morato.

 

Entenda a tramitação do piso da enfermagem

 

Em novembro de 2021, o Senado aprovou o Projeto de Lei 2564/2020, de autoria do senador Fabiano Contarato (Rede-ES), que institui o piso nacional para a enfermagem — até hoje inexistente no país.

 

A proposta foi relatada pela senadora Zenaide Maia (Pros-RN), que apresentou o substitutivo aprovado no Plenário do Senado, em novembro do ano passado.

 

Agora o projeto tramita na Câmara dos Deputados. Se o texto do PL do piso da enfermagem for aprovado sem modificações, ele seguirá para a sanção.

 

Site Jota

Instagram Radio EldoradoTwitter Radio Eldorado

 

Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro

Real Pax