1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Mudança no estatuto do magistério deve abrir caminho para mais professores em Goiás

Por Lucas Silva 07 Maio 2021 Publicado em Educação
Votao
(0 votos)
Lido 302 vezes

A Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) aprovou, em primeira votação, o projeto que altera o estatuto do magistério, que trata do plano de cargos e vencimentos. O projeto de lei nº 4983/21 – do Executivo estadual – diz que “para adequar a jornada de trabalho dos professores à lei, sem prejudicar a continuidade do serviço por eles prestado, essa Unidade da Federação propõe que a eventual demanda por carga horária excedente seja suprida via contratação temporária de docentes”.

 

Na prática, explica Bia de Lima, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego), o projeto evita que os professores façam horas extras que seriam incorporadas aos salários, contratando temporários que não entrarão na Previdência do Estado. “É uma forma de sonegar”, avalia.

 

A justificativa da proposta é que, diante de muitas ações judiciais com decisões desfavoráveis ao Estado de Goiás e da irreversibilidade da jurisprudência, a propositura do Executivo estadual é conter o aumento judicial de pagamento de horas extras aos docentes da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), efetivos e temporários. É dito, ainda, que isso ocorre pela “interpretação errônea sobre o cômputo de horas-aula e horas-atividade, resultando em jornada de trabalho excedente à legalmente prevista na supracitada Lei nº 13.909, de 2001”.

 

 Bia explica que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) só permite aos professores a carga horária de 40h. Contudo, eles têm chegado a 60h, uma vez que não há concursos públicos há 20 anos e, com isso, recebido horas extras, mesmo que via judicial. “Então, esse projeto é uma forma do Estado fugir das ações trabalhistas, que temos ganho, incluindo temporários.”

Fonte: Mais Goiás