1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Chacina de Doverlândia: Jovem, de 23 anos, confessa mortes e estupro

Por Eduardo Candido 03 Maio 2012 Publicado em Região
Votao
(8 votos)
Lido 7348 vezes
Chacina de Doverlândia: Jovem, de 23 anos, confessa mortes e estupro Sebastião Nogueira

Sem demonstrar qualquer sinal de arrependimento ou de remorso, Aparecido Souza Alves, de 23 anos, confessou que foi ele o autor das sete mortes ocorridas na Fazenda Nossa Senhora Aparecida, a 45 quilômetros de Doverlândia. Ele jogou cada uma das vítimas já rendidas por seus comparsas no chão, as segurou pelos cabelos e cortou-lhes o pescoço com uma faca até atingir a coluna, quase arrancando as cabeças, o que é tecnicamente chamado de esgorjamento.

Além desta atrocidade, ele confessou que depois de matar o dono da fazenda Lázaro Oliveira Costa, de 57, e o filho dele, Leopoldo Rocha da Costa, de 22; o caseiro Heli Francisco da Silva, de 44; o casal Joaquim Manuel Carneiro, de 61, e Miraci Alves de Oliveira, de 65; e o filho deles, Adriano Alves Carneiro, 22, teria matado por último a noiva de Adriano, Tâmis Marques Mendes da Silva, de 24.

Ele disse que antes de matá-la como os demais, a estuprou. Tâmis, o noivo e os pais dele foram confundidos por Aparecido e o grupo como os demais integrantes da família de Lázaro. Eles chegaram à fazenda no fim da tarde, em um Uno, foram rendidos e mortos. Os corpos foram deixados no pasto.

Segundo Aparecido contou para a polícia, a ordem era matar toda a família. Para isso, receberia R$ 50 mil. A mulher de Lázaro, Joana, que estava em São Luís dos Montes Belos; e a filha deles, Luana, que é casada e mora em Doverlândia, também seriam mortas.

“Ele confundiu-se com a chegada dos vizinhos à fazenda e os matou”, contou a delegada-geral da Polícia Civil, Adriana Accorsi, que esteve ontem novamente em Doverlândia, com Aparecido. Ele mostrou onde havia jogado a faca usada na chacina, mas a arma não foi encontrada. “É uma área muito grande e quando ele jogou a faca, estava de noite. Não soube dizer o local exato, mas encontramos a bolsa de Miraci, com documentos e uma receita médica. Não temos nenhuma dúvida da participação de Aparecido na chacina”, contou.

Ela explicou que apesar de Aparecido mudar por várias vezes as versões do fato, ele sempre afirma que foi ele que matou as vítimas. “Ele sempre acrescenta uma ou outra informação, o que é até normal.”

Adriana Accorsi, o delegado Antônio Gonçalves, da Diretoria de Polícia Judiciária da Polícia Civil, e o delegado do caso, Vinícius Batista da Silva, estiveram ontem na fazenda de Lázaro e em outras dez propriedades vizinhas em busca de provas e de outros suspeitos do crime.

Hoje, a partir das 10 horas, as Polícias Civil e Técnico-Científica fazem a reconstituição do crime na fazenda. Até a noite de ontem, seis suspeitos já estavam identificados. Dois deles são o futuro sogro de Leopoldo e um primo da vítima que foram presos no domingo, em Frutal (MG), durante o velório das vítimas. Eles foram apontados por Aparecido como mentores do crime. “Não temos certeza da participação deles ainda.”

Um irmão de Aparecido, de 22 anos, e um colega dele, ambos soldados do Exército, foram detidos ontem cedo em um campo de treinamento do Exército em Jataí e foram trazidos para Goiânia, onde devem ser ouvidos como suspeitos de participar da chacina.

Os dois foram trazidos de carro por uma equipe do Exército e ficariam sob custódia na Brigada de Operações Especiais do Exército, em Goiânia. Outro rapaz detido em um assentamento ao lado da fazenda das vítimas também foi trazido para Goiânia em um carro da Polícia Civil e está na Delegacia de Homicídios, onde também deve ser ouvido. Como a participação dos cinco ainda não foi comprovada pela Polícia Civil, os nomes ainda não serão divulgados.

Adriana Accorsi disse que de acordo com a Polícia Técnico-Científica (PTC) não haveria possibilidade de Aparecido ter cometido o crime sozinho, mesmo rendendo as vítimas com o uso do revólver apreendido na casa de uma tia dele na manhã de terça-feira.

Seriam preciso pelo menos mais uma ou duas pessoas, segundo a perícia, para render e manter as vítimas subjugadas. “Uma viu a outra ser morta, já que Aparecido confessou que foi ele quem as executou.”

A delegada acredita que as execuções possam ter sido feitas por apenas uma pessoa, já que todas foram executadas da mesma forma, por esgorjamento, conforme o próprio Aparecido confessou.

Ela explicou que para entender a dinâmica dos fatos e para esclarecer se Tâmis foi realmente abusada sexualmente como afirmou Aparecido, a Polícia Civil depende de laudos da PTC. “Apesar disso tudo, nossa investigação está bem avançada e logo terá um desfecho.”

Adriana Accorsi revelou que na casa sede da fazenda há indícios de que os autores lavaram o chão da sala e da área externa, onde Lázaro e Leopoldo foram mortos. Esta seria uma forma dos autores não chamarem a atenção dos demais familiares quando eles chegassem à casa, onde também, conforme os planos iniciais, seriam mortos. “A perícia vai confirmar se os cômodos foram lavados ou não.”

Fonte: Jornal O Popular

Leia também:
Chacina de Doverlândia: Assista ao vídeo com as fotos do crime

Siga-nos no Twitter e no Facebook
Twitter - Facebook

FAMP
Produção de Spots
camara-em-destaque
Vida Nossa de Cada Dia