1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Mandetta: 'Vamos ficar e enfrentar nosso pior inimigo, o coronavírus

Por Antônio Filho 06 Abril 2020 Publicado em Saúde
Votao
(0 votos)
Lido 229 vezes
Bolsonaro/Mandetta Bolsonaro/Mandetta Reprodução


Em meio a rumores de demissão, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou nesta segunda-feira (06/04) que permanece na pasta para enfrentar o coronavírus, que ele classificou como “o pior inimigo”.


"Médico não abandona paciente. Eu não vou abandonar”, reafirmou ele ao mencionar o compromisso na luta contra o vírus.


“A movimentação social é tudo o que esse vírus que é o nosso inimigo quer”, destacou Mandetta ao defender mais uma vez a manutenção do isolamento social.


“O momento é de cautela, de proteção e distanciamento social. Isso que vocês passaram não é quarentena, nem lockdown. Quarentena e lockdown é muito pior que isso”, observou o ministro.


Ao comentar sobre as 553 mortes e os 12.056 casos confirmados de coronavírus no Brasil até o momento, Mandetta afirmou que os números estão "dentro do que se imaginou".


O motivo que levou o presidente Jair Bolsonaro a cogitar a demissão de Mandetta foram as divergências públicas de ambos a respeito das estratégias para conter a velocidade do contágio pelo novo coronavírus.


O presidente defende o que chama de "isolamento vertical", ou seja, isolar somente idosos e pessoas com doenças graves, que estão no grupo de risco, a fim de não paralisar a economia.


O ministro é a favor do isolamento amplo, adotado por governadores, pelo qual a recomendação é que as pessoas se mantenham em casa.


Segundo Mandetta, a reunião no Planalto serviu para demonstrar que agora o governo 'se reposiciona' em relação ao enfrentamento a novo coronavírus.


"A reunião foi muito produtiva.


Foi uma reunião muito boa, acho que o governo se reposiciona de ter mais união, foco. Todos unidos em direção ao problema", declarou.


O ministro chegou a afirmar que ele e auxiliares já estavam "limpando as gavetas".


"Tinha gente aqui dentro limpando gaveta, pegando as coisas. Minhas gavetas, vocês ajudaram a fazer a limpeza das minhas gavetas. Nós vamos continuar porque, continuando, a gente vai enfrentar o nosso inimigo.


O nosso inimigo tem nome e sobrenome: é o covid-19", afirmou.


E voltou a repetir: "Médico não abandona paciente. Eu não vou abandonar", declarou o ministro.


Fonte: R7 (com adaptações)

 

00 A Banner WhatsAppecontatos RadioEldorado2