1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Desembargadores julgam recurso de Lula no caso do sítio de Atibaia, nesta quarta (27)

Por Marcelo Justo 27 Novembro 2019 Publicado em Política
Votao
(0 votos)
Lula Lula Reprodução/O Globo

Os desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) vão julgar na manhã desta quarta-feira (27/11), a partir das 9h, a apelação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no caso do sítio de Atibaia, cuja sentença o condenou a 12 anos e 11 meses de prisão.


A corte gaúcha é responsável pelo julgamento das ações penais da Lava-Jato de Curitiba na segunda instância.


A sessão chegou a ser suspensa, mas foi remarcada.


A defesa de Lula tentou suspender o julgamento novamente por meio de habeas corpus na segunda (25), mas, o pedido foi negado pelo ministro Edson Fachin, relator dos processos da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).


A sessão será transmitida ao vivo pelo canal oficial do TRF-4 no Youtube (Veja vídeo abaixo).


O ex-presidente é acusado de aceitar reformas na propriedade feitas pela Odebrecht e OAS, com dinheiro de propina decorrente de contratos da Petrobras , no valor de R$ 1 milhão.


Em fevereiro deste ano, a juíza federal Gabriela Hardt, condenou Lula por corrupção e lavagem de dinheiro.


Hardt ficou responsável por alguns meses pelos processos da Lava-Jato na primeira instância após a saída do ex-juiz Sergio Moro.


No julgamento de hoje, o TRF-4 pode manter a condenação de Lula, absolvê-lo ou ainda alterar o tamanho da pena.


Apesar disso, uma eventual condenação pelo tribunal não devolverá Lula à prisão, uma vez que, no começo deste mês, o STF derrubou a decisão que permitia prisão após julgamento na segunda instância.


Antes disso, porém, os desembargadores João Pedro Gebran Neto, Thompson Flores e Leandro Paulsen, vão analisar as chamadas questões preliminares, entre elas a das alegações finais apresentadas na ação penal que condenou Lula pela segunda vez.


Nesse caso, o assunto está relacionado a recente mudança de entendimento do Supremo de que réus delatores devem apresentar as alegações finais antes dos delatados.


Essa questão levou a anulação, pelo Supremo, da sentença do ex-juiz Moro que condenou Aldemir Bendine, ex-presidente da Petrobras e do Banco do Brasil.


Com isso, o processo de Bendine voltará para a primeira instância na fase de alegações finais.


Na Lava-Jato a prática de Moro sempre foi abrir o mesmo prazo para que a defesa de réus delatores e de acusados apresentarem as alegações.


Na ação do sítio, a defesa de Lula apresentou as alegações antes do delator Marcelo Odebrecht, conforme é possível verificar no eproc, sistema de processos digitalizados da Justiça do Paraná e do TRF-4.


Caso o TRF-4 entenda que o caso de Lula teve o mesmo andamento da de Bendine, no quesito das alegações finais, a sentença pode ser anulada e voltar à primeira instância.


Lula ficou preso entre abril de 2018 e novembro de 2019, quando a orientação do STF era diferente, em razão de outro processo da Lava-Jato: o do tríplex no Guarujá.


Nesse caso, ele foi condenado a nove anos e meio pelo ex-juiz Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça no governo do presidente Jair Bolsonaro.


Depois, o TRF-4 aumentou a pena para 12 anos e um mês, permitindo que fosse preso.


Posteriormente, o STJ a reduziu para oito anos, dez meses e 20 dias, mas ele continuou preso.


Ele foi solto somente depois que o STF mudou seu entendimento e decidiu que a prisão só pode ocorrer quando houver o trânsito em julgado, ou seja, quando não for possível mais recorrer da condenação.


Fonte: O Globo (com adaptações)

00 A Banner WhatsAppecontatos RadioEldorado2

Mídia