1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

GOIÂNIA | Sete estudantes vão para a universidade da Nasa após criação de chiclete de pimenta

Por Marcelo Justo 04 Julho 2019 Publicado em Região
Votao
(0 votos)
Lido 317 vezes
Estudantes Estudantes Reprodução/Tv Anhanguera

Sete alunos do Sesi Canaã inventaram o "Chiliclete", uma goma de mascar feita com os componentes da pimenta para ajudar astronautas a sentirem o sabor dos alimentos.


A iniciativa vai levar os estudantes de Goiânia para o Mountain State Invitation, um torneio de robótica na sede da Universidade da Nasa, em West Virginia, nos Estados Unidos.


A viagem acontecerá na próxima terça-feira (09/07).


De acordo com a explicação dos alunos, a falta de gravidade no espaço muda o corpo do astronauta.


Com isso, o sangue se concentra na cabeça e no peito, e essa mudança tira a sensibilidade do nariz, de forma que quem está no espaço vai parando de sentir gostos e cheiros.


O estudante Kairo Gabriel Silva, de 16 anos, explica que a proposta é que esse chiclete devolva a sensibilidade ao nariz do astronauta, mesmo que por um tempo limitado.


"O astronauta masca o chiclete por dez minutos, antes da refeição. E é o tempo determinado para que a capsaicina - um composto químico encontrado em todas as pimentas - entre contato com o organismo do astronauta e assim ele consiga ter essa percepção de sabores por até duas horas, pode se alimentar normalmente", disse.


O grupo de alunos, formado por estudantes de 15 a 17 anos, desenvolveu a pesquisa durante sete meses.


Em março, eles apresentaram o Chiliclete na edição nacional do Torneio de Robótica, no Rio de Janeiro e foram selecionados para a etapa internacional.


Os estudantes embarcam na próxima terça-feira (9) para os Estados Unidos. O torneio será realizado entre 12 e 14 de julho.


Além dos estudantes goianos, o Brasil será representado por outras duas equipes, uma do Rio Grande do Sul e outra do Distrito Federal.


O evento reúne cerca de 70 times de 12 países.


O Mountain State Invitation vai avaliar os alunos em quatro etapas: projeto de pesquisa, momento de colocar as ideias no papel; design do robô, para desenvolver as ideias; desafio do robô, para cumprir missões com o equipamento criado; e a core values, para avaliar a capacidade de trabalho em equipe.


A professora da turma de robótica Harumi Vitória Fukushima diz que a realização desse projeto vai interferir não só na vida profissional dos alunos, mas na vida pessoal também.


"É uma coisa que vai além da sala de aula. Isso realmente é para a vida, mesmo", conclui.


Fonte: G1 Goiás (com adaptações)

00 A Banner WhatsAppecontatos RadioEldorado2