1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

PGR recebe inquérito que investiga Flávio Bolsonaro por suposto crime eleitoral vinculado a imóveis

Por Marcelo Justo 07 Fevereiro 2019 Publicado em Política
Votao
(0 votos)
Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) Reprodução

O inquérito que investiga o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) pela suposta prática de falsidade ideológica eleitoral e lavagem de dinheiro foi recebido nesta quarta-feira (06/02) pela Procuradoria-Geral da República (PGR).


De acordo com as investigações da Polícia Federal (PF), o senador que é filho do presidente da República, Jair Bolsonaro, teria realizado “negociações relâmpago” de imóveis que levantam suspeitas sobre o aumento patrimonial de Flávio.


Foi levantada a hipótese de que o senador pode ter lavado dinheiro por meio da compra de imóveis e, mais tarde, ter declarado à Justiça Eleitoral o valor de um apartamento abaixo do preço real.


Em rápida conversa com jornalistas na tarde desta quarta, Flávio disse que a denúncia não tem fundamentos e é fruto de uma perseguição política.


“Tentaram usar isso contra mim lá na campanha, no ano passado. Uma denúncia totalmente infundada, de um advogado ligado ao PT e que já foi arquivada no âmbito estadual e que vai ser arquivada também no âmbito federal. Não tenho a menor dúvida disso. Meu patrimônio é totalmente compatível, sem problema nenhum”.


A partir de agora, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, irá decidir se encaminha o caso ao Supremo Tribunal Federal (STF) ou, então, se mantém as apurações na primeira instância.


A tendência, no entanto, é de que o caso continue na Justiça do Rio de Janeiro, uma vez que o Supremo restringiu o foro privilegiado de deputados e senadores a crimes cometidos no exercício do mandato e relacionados à função. Quando as investigações foram abertas, no ano passado, Flávio era deputado estadual pelo Rio.


Lembrando que o caso que será analisado pela PGR não tem ligação com as investigações sobre movimentações atípicas de assessores e ex-assessores da Assembleia Legislativa do Rio.


Este processo ficou conhecido como ‘Caso Fabrício Queiroz’, nome do ex-assessor de Flávio, que movimentou R$ 1,2 milhão em sua conta de maneira considerada "atípica".


As investigações deste caso correm no Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro. Ouça áudio abaixo.


Rádio Eldorado, com informações da Agência do Rádio

00 A Banner WhatsAppecontatos RadioEldorado1

Mídia