1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Ronaldo Caiado afirma que Goiás está à beira de 'colapso', mas diz que estado será modelo para segurança pública no país

Por Marcelo Justo 09 Janeiro 2019 Publicado em Política
Votao
(0 votos)
Lido 277 vezes
Ronaldo Caiado (DEM) Ronaldo Caiado (DEM) Reprodução/TV Anhanguera

O governador Ronaldo Caiado (DEM) afirmou nesta terça-feira (08/01) que a situação econômica de Goiás beira ao "colapso financeiro" e que recebeu a administração com uma dívida de R$ 3,4 bilhões.


Além disso, disse que o estado vai se tornar uma referência em segurança pública para o país.


Em entrevista à Globo News, ele disse que o estado está em situação de “concordata, falência”, mas vai tomar as atitudes necessárias para sair da crise.


Além disso, explicou como vai funcionar a Superintendência de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado, pasta que atuará na área de inteligência e será vinculada à Secretaria de Segurança Pública (SSP).


Com o mapeamento dos principais líderes das organizações criminososa, explicou que vai pedir ajuda ao governo federal para fazer o combate e, assim, diminuir os índices criminais.


Junto dessa medida, também está o retorno de 1,3 mil policiais militares às suas funções.


“O que nós estamos assistindo é um verdadeiro acovardamento por parte do estado brasileiro para enfrentar o crime. Se o policial vê o estado se acovardando, se ajoelhando diante o crime, ele também não vai fazer nada. E prestem atenção: Goiás vai se tornar o estado mais seguro do país. Eu quero convidar quem mora no Rio de Janeiro, São Paulo, podem vir morar em Goiás, que aqui você vão ter segurança”, afirmou.


O governador disse ainda que vai intermediar, junto aos deputados federais de sua bancada, apoio para que o governo federal consiga aprovar as reformas propostas.


“Não tem espaço mais para populismo, maquiar a crise. Essa é a realidade. Ou nós vamos colocar a cara e assumir as responsabilidades, ou todos os estados vão se transformar em um Rio de Janeiro”, disse.


Caiado relatou ainda que o estado está com uma dívida muito grande, mas já está tomando algumas medidas para economizar e gerar renda.


Entre elas estão o corte de 5 mil funcionários comissionados e o diminuir os incentivos fiscais de indústrias.


“Vamos ter que tomar medidas durar, romper com o processo anterior e instalar um governo que tenha competência administrativa a saneadora também”, completou.


Fonte: G1 Goiás (com adaptações)

00 A Banner WhatsAppecontatos RadioEldorado1