1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Aneel diz que qualidade nos serviços de distribuição de energia melhorou em 2017

Por Marcelo Justo 05 Abril 2018 Publicado em Brasil
Votao
(0 votos)
Imagem ilustrativa Imagem ilustrativa Reprodução/Agência do Rádio

A qualidade dos serviços de distribuição de energia elétrica melhorou em 2017 na comparação com o ano anterior.


É o que mostra uma pesquisa divulgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica, a Aneel. De acordo com o especialista em regulação Davi Vidal, os dois indicadores usados para elaborar os resultados tiveram os menores índices da história.


“Os dois principais indicadores que nós acompanhamos são o indicador de duração das interrupções, o chamado DEC, e o indicador de frequência das interrupções, que é o FEC. O DEC mede, na média, quantas horas os consumidores ficaram sem o fornecimento de energia elétrica. O FEC mede, na média, quantas vezes houve a interrupção do serviço na distribuição. Então no ano de 2017, ambos os indicadores tiveram seus menores índices históricos”.


Segundo o levantamento, ao longo do ano passado, os consumidores ficaram 14,35 horas, em média, sem energia (DEC).


Isso representa uma redução de 9,23% do valor registrado em 2016, que foi de 15,81 horas em média.


Os números apontam também que houve uma redução nas indenizações pagas aos consumidores por conta de problemas com a queda do serviço: de R$ 571,12 milhões, em 2016, para R$ 477,16 milhões, em 2017.


O especialista em regulação, Davi Vidal, conta que a pesquisa também avaliou as empresas concessionárias do serviço de distribuição de energia.


“Nas de grande porte, a vencedora neste ano foi a Energisa Minas Gerais (EMG), uma distribuidora que atende parte do Estado de Minas. Em segundo lugar, ficou a Companhia Energética do Maranhão (Cemar). Nas empresas de pequeno porte, a campeã foi a Energisa Borborema (EBO), que atende uma região do Estado da Paraíba, e a segunda colocada é a Empresa Força e Luz João Cesa (EFLJC), de Santa Catarina”.


Para elaborar esse ranking, a Aneel dividiu as empresas em dois grupos: 33 concessionárias de grande porte, com número de unidades consumidoras maior que 400 mil; e 25 concessionárias de menor porte, com o número de unidades consumidoras menor ou igual a 400 mil.


Com objetivo de dar mais autonomia, transparência nas atividades e evitar que essas autarquias sofram interferência do setor privado, o Congresso discute o Projeto de Lei 6621, de 2016, que pretende aprimorar a gestão das agências reguladoras.


De acordo com o relator do PL, Danilo Forte, do DEM do Ceará, a instalação da comissão especial deve ocorrer na próxima quarta-feira (4).


“Eu fui convidado pelo presidente Rodrigo Maia para ser o relator da matéria; a gente está marcando a pauta para quarta-feira, para a instalação da comissão especial, para cumprir todos os ritos do processo legislativo, para que a gente possa concluir até o final deste semestre”.


Criada em 1996, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) é uma agência reguladora vinculada ao Ministério de Minas e Energia, com a finalidade de produzir, transmitir e comercializar energia elétrica, em conformidade com as políticas e diretrizes do governo federal.


A Lei de Regulamentação das Agências Reguladoras é uma das 15 propostas que deverão ser votadas neste ano pelo Congresso. Ouça áudio abaixo.


Rádio Eldorado, com informações da Agência do Rádio

00 A Banner WhatsAppecontatos RadioEldorado1

Mídia