1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Força-tarefa conclui cadastramento da população carcerária de Goiás

Por Marcelo Justo 19 Março 2018 Publicado em Estado
Votao
(0 votos)
Lido 132 vezes
Força-tarefa Força-tarefa Reprodução/Mais Goiás

Goiás é o segundo estado brasileiro a cadastrar 100% de sua população carcerária, atrás apenas de Roraima.


O serviço, que registrou 18,2 mil processos no Banco Nacional de Monitoramento de Prisões (BNMP), foi concluído em 60 dias, atendendo prazo – março – estabelecido pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Ministra Carmem Lúcia.


A ação faz parte do conjunto de medidas exigidas por Cármen em janeiro, quando se reuniu, de portas fechadas, com o governador Marconi Perillo para tratar da crise penitenciária no estado.


De acordo om o registro, realizado por servidores e magistrados do Tribunal de Justiça do Estado (TJ-GO), em parceria com a Corregedoria-Geral de Justiça de Goiás (CGJ-GO) e Diretoria do Foro de Goiânia, o estado possui 7.979 presos condenados.


Além deles, 1.315 aguardam resultado de recurso e 7.022 detentos ainda não julgados. Outros 1.621 cumprem pena em domicílio ou em regime aberto, 214 são procurados pela polícia e 20 presos estão foragidos do sistema carcerário.


O cadastro foi elogiado pelo Corregedor-geral, desembargador Walter Carlos Lemes, que agradeceu o esforço dos envolvidos.


“O prazo estipulado para a realização dessa força-tarefa foi apertado e graças ao empenho integral e o compromisso de magistrados e servidores do Poder Judiciário pudemos alcançar os resultados almejados”, observou.


Medidas
Entre as principais medidas listadas pela ministra, estava a destruição das cerca de 25 mil armas apreendidas pelas forças policiais e que estavam sob a tutela do TJ.


O serviço foi iniciado pela destruição simbólica de armas em fevereiro, quando Cármen voltou ao Estado para acompanhar o andamento dos trabalhos.


Além disso, compõe a lista a realização de um mutirão de execuções penais voltada a presos que aguardam análise de suas penas.


A reportagem não conseguiu contato com assessoria de imprensa do TJ-GO para tomar conhecimento do andamento desta última tarefa.


Fonte: Mais Goiás (com adaptações)

00 A Banner WhatsAppecontatos RadioEldorado1