1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Agência de classificação de risco Fitch rebaixa nota de crédito do Brasil

Por Marcelo Justo 25 Fevereiro 2018 Publicado em Economia
Votao
(0 votos)
Lido 203 vezes
Imagem ilustrativa Imagem ilustrativa Reprodução

A agência de classificação de risco Fitch cortou nesta sexta-feira (23/02) a nota de crédito do Brasil, com perspectiva estável.


A nota foi reduzida de “BB” para “BB-“, o que mantém o Brasil dentro do grupo de países considerados maus pagadores de suas dívidas.


Na Fitch, o país está três níveis abaixo do grau de investimento, espécie de selo de bom pagador. A perspectiva melhorou de negativa para estável, o que reduz o risco de novos rebaixamentos nos próximos meses.


Segundo a Fitch, o rebaixamento reflete o deficit fiscal persistente do Brasil, um grande e crescente endividamento do governo e o fracasso de aprovar no Congresso reformas que poderiam equilibrar as finanças públicas.


A decisão do governo de não colocar em votação da reforma da Previdência é, segundo a Fitch, um importante revés para a agenda reformista que afeta a confiança na trajetória das finanças públicas no médio prazo, assim como o compromisso político para enfrentar o assunto.


Na segunda-feira (19), o governo anunciou que desistiu de colocar em votação a reforma da Previdência, enquanto apresentou um plano B que buscava acalmar investidores.


No dia seguinte, a Fitch e a agência de classificação de risco Moody’s criticaram a decisão do governo e afirmaram que o anúncio era negativo para a nota de crédito do país.


A avaliação de especialistas é que as medidas não devem ter tempo hábil para serem votadas no Congresso.


“As eleições presidenciais e para o Congresso em outubro significam que a reforma da Previdência vai ser adiada pelo menos após as eleições, e há incerteza se a próxima administração terá capacidade de garantir sua aprovação a tempo”, indicou a agência em nota.


O ambiente político desafiador, continua a Fitch, dificultou a habilidade do governo de assegurar aprovação do Congresso e adotar medidas de receitas e gastos que busquem consolidar as contas fiscais neste ano.


“Enquanto uma recuperação cíclica da economia e receitas extraordinárias podem contribuir para atingir a meta de deficit primário em 2018, a inabilidade de aprovar medidas estruturais evidencia o contínuo mal-estar político e seu impacto adverso na política fiscal”, disse a Fitch.


Segundo a Fitch, a nota “BB-” e a perspectiva estável refletem a expectativa de que o balanço de pagamentos do Brasil com o exterior vai permanecer forte no período considerado pela agência e pode atuar como uma proteção contra choques domésticos ou externos.


“O elevado nível de reservas internacionais, uma forte posição líquida de crédito e a significativa redução do atual deficit em conta dão espaço às autoridades para manobra ante um choque”, diz a agência.


A Fitch é a segunda agência a rebaixar a nota do Brasil. Em 11 de janeiro, a agência S&P Global cortou o rating brasileiro de “BB” para “BB-“, no primeiro rebaixamento por uma agência no governo do presidente Michel Temer.


O atraso nas reformas e as incertezas sobre a eleição presidenciável deste ano estão entre os principais fatores que pesaram na decisão da S&P.


Rádio Eldorado, com informações da Folhapress

00 A Banner WhatsAppecontatos RadioEldorado1