1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Um produtor rural sofreu uma tentativa de homicídio, na manhã desta quarta-feira (8), na cidade de Damolândia, a 489 quilômetros de Mineiros. O homem de 53 anos levou dois tiros, um no tórax e outro no abdômen, e foi levado para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). Por volta de 17h, a vítima passava por cirurgia para a retirada dos projéteis.

O crime aconteceu às 8h30, na fazenda onde a vítima trabalha. Segundo informações do Posto Policial do Hugo, o ato foi motivado por uma dívida de R$ 30 mil. Parentes disseram aos policiais que autor dos disparos é um agiota que emprestou dinheiro ao produtor.

De acordo com o sargento Celso José Duarte, a Polícia Militar de Damolândia esteve na casa do suspeito, mas até o momento ele está desaparecido. "Agora estamos fazendo buscas nas cidades vizinhas como Nerópolis e Petrolina", diz o PM. O caso será investigado pela Delegacia Regional de Inhumas.

Fonte: G1 Goiás

Siga-nos no Twitter e no Facebook
Twitter - Facebook

K2_PUBLISHED_IN Polícia

O Governo de Goiás anunciou hoje, aumento linear de cerca de 10% para 82.350 servidores públicos efetivos, ativos e inativos. De acordo com o secretário de Gestão e Planejamento, Giuseppe Vecci, a folha de pagamento de fevereiro já terá reajuste de 1,68%, porcentual referente a resíduo do ano passado.

Além do reajuste linear, o Governo também prevê aumento diferenciado para os servidores por mérito. O aumento salarial vai  representar um acréscimo de quase R$ 600 milhões na folha de pessoal este ano, além dos outros R$ 330 milhões já contabilizados em relação ao aumento do piso salarial dos professores.

Siga-nos no Twitter e no Facebook
Twitter - Facebook

K2_PUBLISHED_IN Estado

Os 367 aprovados no último concurso público do Corpo de Bombeiros, dentro do cadastro de reserva, serão nomeados. Ontem à noite, o secretário de Gestão e Planejamento, Giuseppe Vecci, se reuniu com o comandante-geral da corporação, coronel Carlos Helbingen, para comunicar a notícia.

Segundo o secretário, serão nomeados 290 soldados e 77 cadetes. Do total de 290 soldados, 100 servidores serão enviados para atuar, prioritariamente, na Região do Entorno do Distrito Federal. Até agora, 180 soldados e 20 cadetes do Corpo de Bombeiros, aprovados no concurso anterior, foram nomeados em novembro e estão passando por treinamento. A convocação dos 77 cadetes será em duas etapas. Em agosto, serão chamados 38 e o restante em fevereiro de 2013.

De acordo com o comandante, a primeira cidade a receber uma unidade de Corpo de Bombeiros será Valparaíso de Goiás, no Entorno do DF, que foi parceira na instalação da unidade. No projeto, o Estado entra com os servidores treinados e equipamentos e a prefeitura com a estrutura física. Ele lembrou que o projeto do Governo até 2014, é que todas as cidades goianas com mais de 30 mil habitantes tenham uma unidade do Corpo de Bombeiros. “Essas nomeações são fundamentais para o atendimento às demandas da sociedade”, destacou.

Giuseppe Vecci afirmou que, à medida em que forem concluídos os estudos da Comissão Especial de Concursos e que apontarem para a necessidade de pessoal e disponibilidade financeira do Estado, novas convocações de concursados serão feitas. “Temos compromisso com todos os concursados, porém temos de cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal e respeitar os seis milhões de goianos”, destacou.

Fonte: site aredacao.com.br

Siga-nos no Twitter e no Facebook
Twitter - Facebook

K2_PUBLISHED_IN Segurança

A Universidade Estadual de Goiás (UEG) divulgou hoje a terceira chamada do Processo Seletivo 2012/1 e do Sistema de Avaliação Seriado (SAS/UEG 2009/3). A lista com os classificados está disponível no site da UEG (clique aqui e acesse).

A matrícula começa amanhã e vai até o dia 9 de fevereiro na unidade universitária para a qual o convocado concorreu à vaga. Os aprovados nessa chamada que não atenderem o prazo perdem automaticamente a vaga. A quarta e última chamada do vestibular 2012/1 tem previsão de publicação para o dia 15 de fevereiro.

Siga-nos no Twitter e no Facebook
Twitter - Facebook

K2_PUBLISHED_IN Estado

Dois estados do Centro-Oeste brasileiro concentram o maior número de propriedades rurais aptas a exportar gado para a União Europeia (UE). Elas atenderam a uma série de exigências impostas pelos governos brasileiro e europeu e obtiveram a abertura para o mercado. Juntos, Mato Grosso e Goiás detêm 45,3% do total habilitado no Brasil, que soma 1.948. A maior parcela das fazendas está localizada em Goiás, onde são 452 (23,2%), seguida pela unidade federada mato-grossense, com 431, ou 22,12% do geral.

O número consta na nova lista divulgada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com todas as propriedades que podem realizar a operação. Além dos dois estados, estão inclusos ainda Minas Gerais (428), Mato Grosso do Sul (275), Rio Grande do Sul (173), São Paulo (142), Paraná (36) e Espírito Santo (11).

A cada 15 dias o governo brasileiro deve atualizar a relação das propriedades autorizadas a fornecer bovinos para abate e venda da carne in natura para a União Europeia. Isto porque o Brasil reassumiu o gerenciamento da chamada 'lista trace', e a partir de agora poderá veicular o que desde 2007 era feito exclusivamente pelas autoridades europeias. A notícia repercutiu de maneira positiva no setor produtivo, que fala do retorno como questão de soberania.

Certificadora
Para certificar o rebanho visando o mercado europeu, o produtor precisa arcar com diferentes gastos, conforme explica Rodolfo Danielides, da GR Rastreabilidade Animal. À lista das despesas estão inclusos itens como a aquisição e colocação dos brincos certificadores, a renovação do certificado da propriedade, além do gasto individual em cima de cada animal.

"É vantajoso, mas o produtor tem que ter o mínimo de estrutura para manter o processo burocrático", pontuou o empresário.

Fonte: G1 Mato Grosso

Siga-nos no Twitter e no Facebook
Twitter - Facebook

K2_PUBLISHED_IN Comercio

Uma parceria firmada entre a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação de Goiás (Seagro) e a Agência Goiana do Sistema de Execução Penal (AGSEP) vai destinar até cinco sacas de arroz por hectare, para cultivo de uma área estimada em 200 hectares, dentro do complexo prisional.

A ação, que tem por objetivo oferecer aos presos a oportunidade de reinserção social por meio do trabalho nas lavouras, é conduzida por meio do Programa Lavoura Comunitária em Goiás. O trabalho conta com a atenção do secretário Antônio Flávio Camilo de Lima, da Agricultura, Pecuária e Irrigação de Goiás (Seagro), e do presidente da AGSEP, Edemundo Dias.

Além do arroz também serão plantados milho, sorgo, olerículas, bovinos e estimulada a produção de aves, bovinos e suínos para manutenção alimentar dos encarcerados. A Seagro também vai entrar com apoio técnico para auxiliar a produção. Segundo Antônio Flávio, foi criada uma comissão envolvendo entidades do setor agropecuário para criar um plano de trabalho e executar essas ações. “Os principais objetivos dessa parceria é melhorar a comida dos presos, economizar no custo de manutenção de cada um e possibilitar o aprendizado de uma profissão”, ressalta.

A Seagro também doar setenta bovinos para incrementar a produção pecuária. Segundo Edemundo Dias, cerca de cem encarcerados do complexo de Aparecida de Goiânia poderão trabalhar nos 70 alqueires de área cultivável do complexo prisional e levada para as 76 unidades prisionais do Estado. Ele disse também que a produção também será utilizada para ajudar as famílias de presos carentes. "O importante é fazer com que essa população não fique ociosa e aprenda uma profissão", destaca.

A Secretaria da Agricultura já contribui com a AGSEP há várias safras doando sementes, adubos e cedendo kits de irrigação para as hortas que são cultivadas no complexo prisional de Aparecida.

Facebook
Twitter - Facebook

K2_PUBLISHED_IN Estado

O início do ano letivo foi um tanto conturbado em Mineiros devido à falta de professores em escolas estaduais. Agora, depois de poucos dias de aulas, o que estava ruim ficou pior. Os professores decidiram entrar em greve.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego) de Mineiros, professor Coriolano Ferreira, não haverá aulas em toda a rede estadual a partir de segunda-feira (6).

Em Assembleia Geral realizada hoje (2) pela manhã em Goiânia, a categoria decidiu cruzar os braços a espera do atendimento de suas reivindicações pelo Estado.

Perdas salariais*

Nos próximos dias, o Sintego entrará com ação contra a modificação do plano de carreira dos professores promovida pela Seduc. Como prova serão usados os contracheques que comprovariam as perdas salariais.

O achatamento a qual os professores se referem se deve à adequação do Estado à lei do Piso, que subiu para R$ 1.460 o valor do salário dos docentes da rede pública em todo o país. Segundo o Sintego, o correto é que o reajuste médio do salário seria de 45% para todos os profissionais goianos. Entretanto, apenas 3% dos servidores teve este aumento.

Com o fim da gratificação por titularidade, os professores alegam terem sofrido perdas salariais de até R$ 860 por mês, o que dá mais de R$ 10 mil por ano. O bônus anual por assiduidade, que o governo promete pagar aos professores que não se ausentem nem por motivo de saúde, não ultrapassa R$ 2 mil. O Sintego também acusa a secretaria de usar este incentivo como forma de pressão e represália contra os trabalhadores.

Em comunicado à imprensa enviado nesta quinta-feira (2), a Secretaria de Estado da Educação informa que o Estado de Goiás paga o piso salarial dos professores, conforme compromisso firmado com a categoria, no valor de R$ 1.395,00 neste mês de janeiro e de R$ 1.460,00, a partir de fevereiro.

A nota garante que a partir deste início de ano o governo investiu mais de R$ 330 milhões – incluindo os valores do bônus ‘Reconhecer’ – na valorização do profissional da Educação.

A Secretaria da Educação garante que o Governo do Estado criou mecanismos de estímulos aos educadores da rede, com programas como o Reconhecer, de bonificação ao empenho e reconhecimento de méritos, que serão ampliados aos demais trabalhadores da educação.

*Informações do jornal O Popular

Siga-nos no Twitter e no Facebook
Twitter - Facebook

K2_PUBLISHED_IN Educação

Entidades representantes do setor agropecuário, do meio ambiente, saúde e saneamento estiveram reunidas nesta segunda-feira, na sede da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Irrigação de Goiás (Seagro) para discutir a reativação do Conselho Estadual de Agrotóxico (Conea). O conselho que está desativado faz parte da estrutura básica da Seagro e segundo um técnico da Agrodefesa, a volta do Conea é necessária principalmente para fiscalizar a entrada de agrotóxico no Estado, que segundo ele, cerca de 50% do que é adquirido por produtores rurais entra sem fiscalização.

A proposta de reativação está em fase de discussão, mas é quase certa a volta do Conea, que foi criado em 1994. A ação agora é reavivar a instituição conforme a lei de agrotóxico que já existe e fazer as modificações necessárias para que ela possa ser modernizada e atualizada. Também será delimitado o papel de cada entidade e órgão e relação à fiscalização e condução dos trabalhos relacionados aos defensivos químicos.

Foi sugerida a participação de um membro das seguintes entidades e órgãos no conselho: Seagro, Emater, Agrodefesa, Secretaria Estadual de Saúde, Secretária Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Saneago, Aeago, Mapa, CREA, Faeg, Fetaeg, Escola de Agronomia da UFG e delegacia Estadual de Meio Ambiente. O secretário de Agricultura, Pecuária e Irrigação de Goiás, Antônio Flávio Camilo de Lima é o responsável por convocar as entidades para que indiquem um membro para o conselho, a lista será levada ao governado que vai aprovar os nomes.

A proposta da reativação do Conea será colocada em consulta pública e depois seguirá para a aprovação na Assembleia Legislativa de Goiás, que vai votar o retorno do conselho.

Siga-nos no Twitter e no Facebook
Twitter - Facebook

K2_PUBLISHED_IN Agricultura

As empresas de armazéns gerais instaladas em Goiás devem registrar na Junta Comercial do Estado de Goiás (Juceg) até amanhã, último dia de janeiro, os balancetes do quarto trimestre de 2011 referentes às mercadorias estocadas em seus depósitos. A medida dá cumprimento ao Decreto 1.102, que obriga os estabelecimentos a prestar informações à Junta Comercial, sob pena de restrições administrativas e multas pecuniárias.

Os balancetes trimestrais devem ser apresentados até o dia 15 dos meses de janeiro, abril, julho e outubro de cada ano. Mas devido ao recadastramento empresarial realizado pela Juceg no final do ano passado, o prazo para os armazéns gerais apresentarem os balancetes foi prorrogado para o dia 31. Após esta data, haverá restrições administrativas para quem descumprir as notificações.

Rotineiro
O presidente da Juceg, Verissímo Aparecido da Silva, espera que, a partir deste ano, os procedimentos sejam realizados normalmente pelas empresas, sem a necessidade do envio de notificações e de se estabelecer sanções administrativas. “Esperamos que o procedimento seja rotineiro entre as empresas, mas estaremos atentos com a fiscalização do cumprimento de suas obrigações”. Ele lembrou também que os armazéns gerais devem registrar o balanço anual das mercadorias de 2011 até o dia 15 de março.

Em Goiás, existem cerca de 1,1 mil empresas de armazéns gerais que estocam os mais diversos tipos de mercadorias. “A maioria destes estabelecimentos não realizava o procedimento porque não havia fiscalização. Agora, notificamos e demos todas as informações e prazos possíveis para que pudessem cumprir as normas. O objetivo não o é de penalizar nenhuma empresa, mas fazer cumprir o que realmente a lei determina”, afirmou Veríssimo.

Siga-nos no Twitter e no Facebook
Twitter - Facebook

K2_PUBLISHED_IN Estado

A Secretaria da Fazenda alerta para o prazo de pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) referente ao calendário de 2012.  Na próxima quarta-feira, dia 1º de fevereiro vence a primeira parcela do imposto para os carros de placas finais 1 e 2.

Dia 1º também começa vigorar a redução de 50% do IPVA para os carros com mil cilindradas (1.0) e motocicletas 125 cc que não tenham se envolvido em acidentes e nem sido multados nos últimos 12 meses. A segunda parcela do IPVA de proprietários de veículos com placas finais 1 e 2 vence em março e a terceira e parcela única vence em abril.

Siga-nos no Twitter e no Facebook
Twitter - Facebook

 

K2_PUBLISHED_IN Estado